Trabalhos Instrumentais que Adoro (Parte 1) por Leo Moretti

Por quinta-feira, dezembro 4, 2014 1 , , ,

Sempre acreditei que músicas  ‘instrumentais’ podem ser tão cativantes quanto aqueles hits que a gente canta no banho. Por mais estranho que pareça, eu acho a experiência de escutar uma música sem letras algo extremamente visual uma vez que os sons e timbres catucam minha imaginação e começo a viajar com esses sons para lugares distantes do meu subconsciente. Para a coluna desta semana convido vocês a viajarem comigo escutando as minhas músicas instrumentais preferidas.

Avril 14th – Aphex Twin

Richard David James ou Aphex Twin, como ele é conhecido no mundo musical, ficou famoso por suas composições eletrônicas de Drumand Bass que influenciaram  grandes artistas como Radiohead, porém eu fui sempre mais fã dos trabalhos de ambient music desse artista. Minha preferida sendo a Avril 14th, é uma música minimalista tocada em um piano, mas linda de morrer. Tentem escutar sem se emocionarem!

Electric Worm – Beastie Boys

Por mais que os Beastie Boys sejam consagrados por seus discos maneiríssimos de hip hop, muitos se esquecem que essa banda começou como uma banda de punk e durante sua carreira lançaram alguns discos de composições instrumentais que se alimentavam das diversas influências do grupo como funk, soul e até bossa nova.  A faixa Electric Worm do disco The Mix Up mostra bem o groove e excelente instrumentalismo do trio.

Sestri Levante – Tame Impala

Desde a primeira vez que escutei essa música instrumental, do disco Live Versions, me apaixonei! Que banda incrível, meus Deus! Psicodelia + melodia = uma música que escutarei por muitos anos, sem dúvida ! Se vocês ainda não a escutaram, confiram, e vão me agradecer!

Love Like a Sunset Part 1 – Phoenix

Não poderia fazer uma lista de instrumentais incríveis sem citar o Love Like a Sunset Part 1 do Phoenix. Fiquei fã dessa banda ao escutar  o disco Wolfgang Amadeus Phoenix e a razão disso é mérito da odisseia sonora que é essa música. Os caras usam uma mistura de sintetizadores modulares, teclados, batidas e guitarras para transportar o  ouvinte ao que eles descrevem como sonoridade kaleidoscópica.

The Gambling Priest  -  Danger Mouse & Daniele Luppi

O produtor Danger Mouse resolveu se unir ao compositor italiano Daniele Luppi para criar o disco “Rome” inspirado nas trilhas dos Spaghetti Westerns, de Ennio Morricone. Os dois até convocaram alguns dos músicos que tocaram nessas trilhas, além dos cantores Jack White e Norah Jones que contribuiram com vocais para algumas faixas. Todo esse cuidado e uso de antigos equipamentos de gravação tornaram esse trabalho muito fidedigno ao vibe das trilhas que o inspiraram. Confiram só The Gambling Priest!

Pali Gap – Jimi Hendrix

Para mim, Jimi Hendrix é, sem sombra de dúvida, o melhor guitarrista elétrico que já existiu. Sendo eu um guitarrista, apresento como principal argumento para esta afirmação o fato de que solos de guitarra geralmente servem para agradar somente ao guitarrista que tenta mostrar toda sua mega técnica e acaba enchendo a paciência de todo mundo! No caso do Hendrix porém seus solos soam como lindas poesias de emoção. Meu exemplo preferido dessa genialidade é Pali Gap. Cinco minutos de solo de guitarra sem uma nota sequer desperdiçada!  Escutem e me digam se estou errado!

The Mark has Been Made – Nine Inch Nails

Trent Reznor, o lider do Nine Inch Nails, vem arrebentando no mundo  das trilhas sonoras com suas parcerias com David Fincher para seus filmes mais recentes como a Rede Social, para o qual ganhou o Oscar de melhor trilha sonora; porém, há muito tempo, ele já vem incluindo trabalhos instrumentais incríveis em seus discos.  The Mark has Been Made do disco The Fragile é um exemplo disso: é uma faixa digna de um thriller com suas guitarras distorcidas e batidas contundentes. Ela foi até usada para um comercial da última temporada da Família Soprano e funcionou muito bem, criando o tom sóbrio para a chamada.

Crystal Japan – David Bowie

Por falar em Nine Inch Nails, se vocês conferirem  o disco The Downward Spiral escutarão uma faixa chamada A Warm Place que utiliza a mesma melodia  da música instrumental do David Bowie, minha preferida, chamada Crystal Japan.  Essa faixa ambiental minimalista, feita com sintetizadores vibrantes, coloca qualquer um que a escute em um estado de paz de espírito.

Approaching Pavonis Mons by Balloon (Utopia Planitia) – The Flaming Lips

Essa música instrumental, do excelente disco Yoshimi Battles the Pink Robots,   ganhou um Grammy de melhor performance instrumental em 2002 e a escutando, fica fácil perceber porque.  A banda é conhecida por suas produções de sons psicodélicos que, embora repletas de sons interessantes, conseguem sempre deixar transparecer belas melodias. Escutem essa faixa e notem o jeito com que todos os timbres funcionam bem juntos, para criar o que só posso descrever como ‘space lounge music’. Escutem essa com o volume  bem alto!

I Am Citizen Insane – Radiohead

Para terminar a primeira parte dessa lista não posso deixar de incluir essa do Radiohead. Eu adoro sonzinhos de batidas que fazem ‘bipidi boop’ e esses não faltam nesse track eletrônico desses meus heróis musicais !

Tenho muito mais para compartilhar com vocês mas acho que já têm bastante para degustar nessa semana. Vou postar a segunda parte na semana que vem !

 

Ate lá!

Leo

 

 

 

 

 

 

 

1 Comment
  • Wfaa
    junho 20, 2015

    ae ficou massa as musicas vieajm e a vieajm foi foda pelo jeito tb! rsmandaou muito bem com easy all stars, o cd que eles fizeram radiodread ficou melhor que o dub do pink floyd pra mimflw ae,

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *